CASOS HISTÓRICOS

Estes são relatos verídicos, conhecidos por membros da Família Stávale, que aqui são expostos no intuito de ilustrar a História e dar o testemunho da saga dos protagonistas. Envie também os casos que você conhece !

 

HISTORICAL CASES
 
These are veracious narrations, acquaintance by Stavale family´s members. The main reason of this page, is to clarify our history and to confirm the protagonist saga. Send us your testimony !
 

C-1 Casos enviados por Neide e Pedro Stávale (Árvore de Pietro - Brasil I ) de São Paulo – SP

C-2 Cases sent by Ronald X. Stávale (Michigan - USA, Tree of Natale - USA I)

C-3 Casos enviados por M. Alexandra (Árvore de Pasquale - Brasil I ), da cidade de Pindorama - SP.

C-4 Caso  enviado por Dona Terezinha Fernandes Stávale (Árvore de Pietro – Brasil I), da cidade de  São Paulo.

C-5 Caso enviado por João Stávale (Árvore BR-Luigi), da cidade do Rio de Janeiro.

C-6 Cases sent by Robert J. Stávale (Michigan - USA, Tree of Natale - USA I)

C-7 Casos enviados por Reinaldo J. Stávale da cidade de São Paulo (Árvore de Pasquale - Brasil I).

C-8 Caso (abbreviazione storica) spedì da Francesco Stávale Picarelli (Árvore Italia III), del Belgio.

C-09 Caso enviado por Maria Alice Molinari Dechiare (da cidade de São Paulo), enteada do Maestro Salvatore Stávale (Árvore Brasil II).

C-10 Caso enviado por Sonia Regina Aparecida Stávale, de São Paulo, (Árvore de Pasquale - Brasil I)

C-11 Caso enviado por Roberto Stávale da cidade de São Paulo (Árvore de Nicola–Brasil I).

 

 

C-1 Casos enviados por Neide e Pedro Stávale (Árvore de Pietro-Brasil I) de São Paulo – SP:

a)      Pietro Stávale, avô de Neide e Pedro,  era um alfaiate muito vaidoso, nervoso e fogoso, sua vida foi um tanto conturbada e houve duas mulheres às quais ele amou intensamente. Casou-se com Christina Infanta e com ela teve 8 filhos, depois conheceu Alzira e desse relacionamento teve um filho. Após a morte de Christina, entristecido, sentindo-se solitário e com idade avançada, transtornou-se definitivamente quando se viu diante de insistentes recusas de Alzira viver com ele. Inconformado, perdeu a razão e resolveu tentar o suicídio. Dirigiu-se à Ponte do Rio Pinheiros (próxima de sua casa) e logo que deu seus primeiros passos na ponte,  intempestivamente, atirou-se ao vazio. Milagrosamente, ele não conseguiu o seu intento, o velho fogoso calculou mal o suicídio, ao invés de cair no rio, caiu em um poço abandonado e quase seco que ficava na margem. Para ele, o vexame do resgate foi pior do que os machucados sofridos.

b)     Podemos facilmente considerar Eugênio Stávale, pai de Neide e Pedro, um exemplo de fibra, dedicação e altruísmo. Homem  de intensa atividade social, foi diretor do Clube Atlético Butantã, secretário da Liga Pinheirense de Futebol Amador, teatrólogo, filantropo, líder comunitário e também fazia parte de um conjunto musical que tocava "chorinho" (tipo de música regional muito apreciada na época). Tudo isso ele fazia com apenas um pulmão, o outro ele perdeu ainda jovem (fora inutilizado cirurgicamente em 1932) devido às conseqüências da Tuberculose. Destacamos porém o seu espírito arrojado, dedicado Técnico de Laboratório do Instituto Pinheiros de Pesquisas Biológicas, foi um dos responsáveis pela fabricação pioneira da Vacina BCG no Brasil. Na época em que sua equipe desenvolvia a vacina ninguém acreditava que iria funcionar, nem tampouco queriam experimentá-la, porém, sua convicção na vacina era tão grande que resolveu aplicá-la na própria filha que tinha apenas um ano de idade (isso foi em 1936). Seus esforços foram recompensados, a pequena Neide foi imunizada e o Instituto Pinheiros foi consagrado na comunidade científica.

C-2 Cases sent by Ronald X. Stávale (Michigan - USA, Tree of Natale - USA I)

a) How Natale and Teresa Met

Teresa and Natale met in West Virginia .   He was working in the mines. They first met while she was fetching water at a well when he stopped and asked her if she wanted some help.   He ended up walking her home and eventually became a border there which was very common in those days.
Teresa had married a man who was extremely abusive and actually already had another wife in Italy . At some point sensing that something was going to happen Teresa fled and was actually shot at by her husband (?first name) Tork (Torchia).   In fear of her saftey, she left with Natale and they were married in Hogan, West Virginia by a justice of the peace.
Some time around 1916 they arrived in Detroit and lived on Wilkens Street and eventually moved to VanDyke street .   They had 8 children.   Louis (who was actually a Torchia), James, Anthony, Mariangela (She died at 5 yrs old), Arthur, Angelo (died at 14 months), Rose Marie and child who died at birth.

b) Natale and Vincenzo Stavale  came to America in 1906.  Natale and Vincenzo died over 40 years ago. There was very little information about our family history.  This story about Vincenzo Stavale was told to me in 1999 by Eugenia Santoro.  Eugenia is the brother of Giovanni Santoro.  Giovanni is the son of Nicola Stavale from San Giacomo. Giovanni owns the “Black Out Pub” in San Giacomo.

c) The Stavale Family Story by Ron
 May 2004

This is an update of my first attempt at creating a family tree/story. I do not have this in a "tree" format to be viewed yet but eventually when more information is learned it will be done.  This story will evolve and change as new information is discovered. This information if fairly accurate and obtained from our own family stories from my father Vincenzo (James), my Aunt Rose Marie, Uncle Tony and Aunt MariAngoli and from Sophie Stavale Saros. Also from  our cousins Antonio Stavale and Giovanni Santoro who live in San Giacomo di Cerzeto, and from our cousin, Adele Cristina Stavale in Buenos Aires, Argentina and Sylvino (Sylvestri) Stavale in Edmonton, Alberta.   Giovanni’s brother Eugenia Santoro, who recently died, took me for a long walk in the area around San Giacomo and he told me some of the early Stavale history in San Giacomo.  My language limitations in Italy prevented me from learning more.

I encourage you to send me any family stories so I can include them because once they are lost then they are gone for good.   I hope that our children and their children will have this information pass on to future generations.  Any stories will be such an important addition.

The name Stavale has origin in Fuscaldo, Calabria, Italy (see the icons História (History) – Fuscaldo and Fotos (Pictures) - Fuscaldo, of www.stavale.com, to know Fuscaldo).
There is a Stavola family but 'tavola' means table and they think that is the derivation of their name and there actually is a Stivale family not related to us.  The Stavale families from New York, New Jersey and Florida (there actually is another Ronald Stavale in Florida) are not related to us.  Their relatives are from a different area in Italy and their name was originally Stavole, it was changed when their ancestors came here which is not unusual (see the icon História – Imigração (History – Immigration) of www.stavale.com).

Our cousins in San Giacomo pronounce our name Staaa- va-lay, there is a long slow emphasis on the Staaa and then vaa- lay.  We pronounce it
Staval-ee with the emphasis more on the end of the name.

 

Recent information has come from the Stavale families in South America who also originated from Fuscaldo, which is where Vincenzo and Natale's father was born.  There are 3 different (and possibly not related) Stavale family lines in Fuscaldo.  Reinaldo Stávale of Brazil has a site (in Portuguese) called www.stavale.com. (our pictures are there too)

In this site (also corroborated by Francesco Stavale in Cincinnati who came here 50 years ago) it is said that Stavale comes from sta n'valle which is a term that means of or from the valley.  So I guess all of the Stavale girls are the original "valley girls"(see the icon História (History) - Stávale, of www.stavale.com, to know the origin of the name).

In this history I will give the title of our g-grandfather to Antonio Stavale as he relates to my generations which are the grand sons and grand daughters of Vincenzo, Natale and Nicola.  Antonio Mario Stavale had at least 9 children from 3 different marriages. He is the father of Vincenzo, Natale, Nicola, and Mariangela (who died a young women in San Giacomo).  Giuseppe & Mariangela from the second marriage and Francesca, Luigenia Stavale from the third. . He is the grandfather to our parents and g-g-grandfather to our children.

Antonio Stavale was born in Fuscaldo, Cosenza, Italy and settled in San Giacomo di Cerzeto, which is about 30-km in land from Fuscaldo. Fuscaldo is a beautiful mountain village overlooking the Tyrrhenian Sea (which is part of the Mediterraian Sea).  San Giacomo (Saint Jack in Italian and Shen Japku in Albanian) is part of a community of 3 mountain villages connected to the main village of the 3 called Cerzeto.  There are currently about 400 people living in San Giacomo. Albanian mercenaries and refugees settled San Giacomo in the 1500’s.  The native language is Albanian (Arberesh) and Italian.  Some of the original families were the Tocci, Stamile and Sarro families. 

Our grandparents were fluent in both Arberesh and Italian.  Antonio Stavale was from an Italian village and Mariangela from an Albanian or Arberesh village.  The children were raised in the Italian/Albanian village.
My grandfather, Natale Stavale used to call my father by saying “a ach tu”, (Ay ack tu) which is Arberesh for “come here”.  I was told it was usually used in a stern voice from his father to him.   

 

Although I don’t remember it Vincent, Italia and Natale would often be overheard speaking Arberesh which is a totally different language from Italian as you can see in the name of San Giacomo/Shen Japku.. 

 

 

At this point I am able to track back our family name to the early 1800s.  The typical naming pattern in Italy at the time was that the first male child was named after the father’s father or paternal grandfather.  The second son was usually named after the mother’s father.  The first female was named after the father’s mother and the second female was named after the mother’s mother.   

If a child died the name was then given to the next child of the same gender to continue the naming pattern.

In determining the cousin relationships it is determined by the closest common ancestor.  I am a first cousin to Frank and Teresa Stavale (Randal) because the first common ancestor we share is our grandparent (Natale).
 My father and Babe Stavale are first cousin because their common ancestor is their grandfather Antonio (1868-1926). I am first cousin, once removed to Babe Stavale.  I am a second cousin to Marianne, Jim, Adele Cristina and Sylvino Stavale because we share the same g-grandparent, Antonio Stavale (1868-1926). 

 Natalie Stavale (Frank’s daughter) is my first cousin once removed. My daughters Emily and Julia are 2nd cousins to Natalie because their closest common ancestor is Natale who is their great-grandfather.  Emily and Julia are second cousins once removed to Marianne Stavale Benkoski.  Emily and Brooke Anya Benkoski however are 3rd cousins because the next common relative they have would be a g-g grandparent (the one and the same, Antonio Stavale 1868-1926) 

They didn’t do it on purpose but there are way too many Antonio Stavales in this family………

In relation to my generation of the Stavale family our
Great-Great-Great Grandparents were…………

Antonio & Caterina Stavale  from Fuscaldo, Cosenza, Calabria,  Italy
I do not yet have birth records from them but I think they must have been born in the early 1800's , approximately 1805?  I do not yet know their siblings or other children.

                 __________________________________________

 They were the parents of our Great-Great-Grandfather….

Vincenzo Stavale
born in 1827 in Fuscaldo
died in 1901 in San Giacomo, Cosenza, Italy

I do not know his mother’s name or his sibling’s names.

He was a "mulitierre" or mule tender and he died after he was beaten by robbers in the mountains of Cerzeto (there were no roads then) while carrying supplies on pack mules to and from Fuscaldo. He made it back to San Giacomo where he died. His gravesite is in San Giacomo but not identified. Vincenzo was the father of Antonio Stavale our great grandfather

               __________________________________________

Great- Grandparents

Antonio Stavale was born in 1868 in Fuscaldo and died in 1926 in
San Giacomo.  Antonio was also a mulitierre and he was remembered in the village of San Giacomo as a harsh, easily angered man.  He would get his mules to move by kicking them. He died from an infection days after he was bitten in the arm by a mule which he had just kicked.  This story is common to our relatives in Italy and South America.  It has also been told that he was very mean and may have actually been pretty abusive to his wife.  Antonio had 3 wives and traveled back and forth to South America and he visited here at least twice. I was told he was here around the time my Uncle Artie was born which was 1919.  Interestingly enough his second marriage was in 1906 which was the year that Vincenzo and Natale came to America.    

Antonio Stavale married our g-grandmother, Mariangela Stamile who was born in 1867 in San Giacomo.  She died when Vincenzo and Natale were young boys (? around 1895).  My Aunt Rose tells that her father, Natale, remembers hearing that his mom died while he was playing outside as a child.  One story has it that he had hit or kicked Mariangela and she died of those injuries. 

Mariangela Stamile was the daughter of Pasquale Stamile & Domenica Melicchio, who would be our g-g-grandparents. I do not know how our g-grandparents, Antonio Stavale and Mariangela Stamile met. I can guess that with his father Vincenzo traveling between the villages perhaps a young Antonio helping him met her or more probably it was an arranged marriage between Vincenzo Stvale and Pasquale Stamile.   They married around 1886 or 1887.

The  father of Pasquale Stamile was
Luca Stamile. He would be our g-g-g grandfather

            _______________________________________

Antonio and Mariangela (Stamile) Stavale had 4 children

1-Vincenzo - born 3/27/1887,

Vincenzo married Italia Sarro from San Giacomo, they had 3 children.  Ernesto, Dante and Armando.  Vincenzo was 34 and Italia was 21 when he brought her back from Italy. I believe it was an arranged marriage since it has been told that he went back to Italy to “get a wife”.  Italia came from a family of 18 children, I believe her family owned a store in San Giacomo.  When I visited in 1999 she still had a sister who was alive but I didn’t get the chance to meet her.  Italia is remembered in the village and I met one niece who has the same thick jet black hair that I remember Italia having.   Even when I went to Calgary where we have relatives they remember hearing when Italia died.  They didn’t hear it from us here in Detroit but word traveled to them from their family in Italy. Vincenzo was quite adept at horseback riding as a child and Aunt Rose says he could ride while standing on the back of a horse.  He served in WW1, I believe he was in a Cavalry division. 

2-Natale-born 12/28/1888
 
Natale married Teresa Talerico from Petrona, Catanzaro, Cosenza. They had 8 children. Louis, James, Mariangela (who died at age 5), Anthony, Arthur, Angelo (who died at 14 months) and Rose.  Another child died at a young age.   Louis was born from Teresa’s previous husband (Torchia) but was raised with the Natale and Teresa.  The naming pattern is similar to the typical Italian pattern. My father James was born Vincenzo (Vincenzo, Vincent and Jim/Jimmie are equivalent in Calabrian immigrants) and named after Natale’s grandfather.  Mariangela was named after Natale’s mother.  Anthony was named after Natale’s father and Rose was named after Teresa’s mother Rosa Bianco Talarico.

3- Mariangela

The cousins in San Giacomo did not know much about her but the ones from South America knew of her.  The only thing we know (?) about her is that she supposedly died at a young age after washing clothes in the a mountain stream between San Giacomo and San Martino di Finita. From Aunt Rose I get the impression she was about 20 years old and she developed some sort of infection. Natale and Vincent would send money back to her in San Giacomo from time to time.

4-Nicola-0/17/1891 

Nicola married Amelia Candreva from San Giacomo or Cavalarizzo (one of the 3 villages of Cerzeto. They had a son, Julian, (Julian died from Diabetes in the 1980s ) who moved to Buenos Aires.  We have several families of cousins in Buenos Aires. The other children of Nicola were Mariangela, Ersilia, Alfredina, Pasquale and Giovanni.  Giovanni was born out of wedlock and still lives in San Giacomo and he runs a Pub and Pizzeria in San Giacomo called the “Black Out Pub”.

As a side note our relatives in San Giacomo who are first cousins to our parents remember the Americans bombings near there village in World War ll.   And one of Italia’s brothers was a prisoner of war who was brought to an American prison camp somewhere in Ohio.  Natale would take Italia down on Sundays to visit him and bring him food.

Our cousins in San Giacomo and even our cousins in Buenos Aires fondly remember receiving gift packages of shoes, pants and money from our grandparents, Vincenzo and Natale.  Our cousins were very happy to reconnect with our family.  They always knew they had uncles somewhere in America.

Our great grandmother, Mariangela Stavale, died sometime after Nicola’s birth and Vincenzo, Natale, Mariangela and Nicola were raised with their grandparents, Pasquale and Domenica Stamile.  Mariangela (Stamile) and her parents spoke fluent Arberesh.  That is where our grandparents learned it.  Aunt Rose also tells me that Domenica Stamile lived to be 102 and was blind.  Natale recounted how she would sit by a window and knit. He also told Aunt Rose about when his mother died.  He was a little boy and he was out playing.  He was called inside to say goodbye to his mother when she died. .

                                _________________________

Great-grandfather Antonio Stavale & Maria Pimola (second marriage)

Antonio Stavale married Maria Pimola in 1906 right around the time Natale and Vincenzo came to America (they were 17 and 18 years old.   Nicola was 14 years old and he stayed in San Giacomo. 
Antonio and Maria had 2 children.

1- Giuseppe born in 1911 had 3 children. 

Antonio- (who I stayed with in San Giacomo) Antonio is married to Adela. Antonio has a son, Silvino (Sylvestri) and his wife Donna (from Cavalarizzo), who lives in Edmonton Alberta.  He moved their 10 years ago from San Giacomo and he runs his own painting company and Donna works in a Bank.  Sylvino has a son Antonio who is 12 (in 2004) and a daughter Melania who is 8 years old. 

Antonio has another son a son Giuseppe he works in a hospital and has a son (you guessed right) Antonio and a daughter Maria.  They live in Montalto Uffugo (near Cerzeto) and a daughter Vitoria who lives in San Giacomo.Vitoria Stavale married Carmine Musacchio and they have 2 children, Eduardo and Ernestina.  They owned a store in San Giacomo which has since closed. Ernestina has a daughter, Maria, who is 1 year old.  Ernestina and her husband visited Sylvino and Donna in Edmonton last year. The other children of Giuseppe Stavale are:

Prudenzia - Live in Belgium.  There are more cousins in Belgium who I have had limited correspondence with.

2-Mariangela born in 1912 and died in 1993

 She married into the Contino family and lived in Calgary, Alberta Canada before returning to San Giacomo where she died in 1993. They have a restaurant in Calgary. Mariangela Stavale Contino had 3 children.  I met them in the year 2000.
Vittoria Contino, Emma Sarro and Maria Caparelli.  They speak more Albanian than Italian and Maria and Emma own a ‘Smittys’ restaurant in Calgary.

                 _________________________________________

Antonio Stavale , third marriage.  I don’t know his wife’s name, I think it was Rosa.  She is buried in Buenos Aires.  They had 2 children.

Luigenia - ?
Francesco - I believe she died at age 7 during a fire.

I hope to learn more about some of our relatives in the future.  The information that still exists is limited and if relatives die before passing on the information it is lost forever. It is important that we add stories even about our grandparents here in America or any recollections you have or about your parents growing up. I hope to put this into print form in the years to come to give to our future generations (see the icons Árvore Genealógica (Family Tree) and Fotos (Pictures) of www.stavale.com to know our relatives and ancestors).

The author of this text, Ronald Xavier Stávale, is an exceptional specialist of the genealogy of the family Stávale, we owed a lot of gratitude to Ron and also to Antonio Pupo, the largest historian and genealogical researcher of Calabria, the preservation of the memory of our family. If we base in the film “Close Encounters” (of Spielberg), we can also consider Ron a type of Richard Dreyfuss of the genealogy of the family Stávale north american 
In may of 2006, Reinaldo and Ronald went to Fuscaldo to conclude the studies of the genealogy of the family. Since 2004 to today a lot of thing happened and we obtained more knowledge that will be shown in new updatings.

 

Vincenzo Stavale was born in Fuscaldo in the year 1827.  Vincenzo is the grandfather of  the immigrants Natale and Vincenzo (Vincent).  Vincenzo  was the son of Antonio Caterina Stavale.  His wife, brothers and sisters are not known (yet).  Vincenzo worked as a mulattiere ( mule attendant).   Vincenzo was taking 2 mules with supplies from Fuscaldo to Cerzeto in 1901. He was 71 years old.  Vincenzo’s supplies were stolen and he was beaten by robbers in the mountains between Fuscaldo and San Giacomo di Cerzeto.  Vincenzo died from the injuries.  I do not know if Vincenzo is buried in San Giacomo or Fuscaldo.  Antonio Stavale (1868-1926).   Antonio is the son of Vincenzo Stavale (1827-1901) Antonio was born in Fuscaldo and he worked as a mulattiere.  Antonio Stavale married Mariangela Stamile from Cerzeto.  Antonio and Mariangela lived in San Giacomo di Cerzeto.  They  had 4 children.  Vincenzo (1887), Natale (1888) Mariangela (?) and Nicola (1892).   Antonio was known to be a man who was angered easily.  Antonio became angry with one of his mules in 1926 and he kicked the mule.  Antonio was bitten on the arm by the mule.  Antonio’s arm became infected.  The infection spread and Antonio died from the infection from the mule bite.   After Mariangela died, Antonio married Maria Pimola in 1906.  Was it coincidence that Natale and Vincent came to America in 1906?  Antonio and Maria had 3 Children.  Guiseppe and Mariangela.  One of the children died at a young age.  Antonio traveled to America  and to Buenos Aires several times. Maria died.  Antonio married a 3rd time to a woman named Rosa.  He had 2 more children.  Lugenia and Francesca.    Rosa is buried in Buenos Aires. It is important to learn information now.  As time passes us by so do important family stories. I hope through the Stavale.com page that I can find more information about my family history. Thank you Reinaldo Stavale for all of your work.      

C-3 Casos enviados por M. Alexandra (Árvore de Pasquale - Brasil I ), da cidade de Pindorama - SP. 

A artista plástica Alexandra conta que os casos que ela conhece tão bem, tem origem no seu interesse pela memória da família; ainda menina questionava e  perguntava aos mais velhos, visitava os parentes, comparecia nas festas e  reuniões familiares e, sobretudo, graças a sua avó Maria Stávale, filha dos imigrantes Pasquale Stávale e Júlia Ravagni, que passava muitas horas contando as histórias da família com riqueza de detalhes. O casal de imigrantes Pasquale e Júlia vieram de Fuscaldo, província de Cosenza, na Calábria – Itália, em 1880; desembarcaram no Rio de Janeiro e pouco tempo depois mudaram para São Paulo. Pasquale foi um excelente alfaiate, confeccionava fardas para a guarda imperial e também era um virtuosíssimo violinista.Transcrevemos aqui os casos enviados que tratam da saga dos filhos de Pasquale e Julia e tem início na Rua Pedroso, bairro da Bela Vista, cidade de São Paulo, no final do século XIX e começo do século XX. Naquela época o casal Pasquale e Júlia apagavam os lampiões cedo, seus filhos procuravam chegar logo em casa, jantavam e depois cantavam, contavam casos e piadas, encenavam, divertiam-se enfim; havia um entrelaçamento fraternal muito forte na família, entretanto, pelo que veremos a seguir, houve diversas ocasiões difíceis que tiveram que enfrentar .  

a)     Norberto tinha um grave  problema de saúde, não podia comer quase nada a não ser o fígado cozido e as sopas que seus pais faziam especialmente para ele. Porém, o jovem Norberto queria ser igual as outras crianças que com ele iam para a escola e também comer as iguarias típicas da Itália, então ele comia escondido lanches que sua irmã Maria e a vizinha lhe faziam. Alguns anos se passaram até que  numa  manhã Maria foi acordar Norberto, mas ele não acordaria mais. Maria sofreu um duro golpe e ficou traumatizada, nunca mais ela iria acordar alguém em sua vida.

b)     Nilo, um jovem militar voluntário que engajou-se  nas tropas dos revoltosos paulistas de 1924, sob os comandos do General Izidoro Dias Lopes e do Major Miguel Costa. Após os combates em São Paulo, a marcha dos revoltosos prosseguiu até Mato Grosso (Três Lagoas) onde travou duro combate com as tropas legalistas e sofreu muitas perdas, desceu o Rio Paraná e instalou-se em Foz do Iguaçu. Em Catanduvas a tropa revolucionária foi novamente muito castigada, houve muitas baixas e soldados desaparecidos, obrigando-os a se refugiarem no QG instalado em Foz do Iguaçu. No Rio Grande do Sul o Capitão Luis Carlos Prestes revolta-se também e sob seu comando os revoltosos sulistas partem em direção a Foz do Iguaçu, travando duros combates, para socorrer a divisão paulista. Quando Prestes chegou a divisão paulista estava quase dizimada, a situação era caótica, havia muitos soldados mortos, feridos e desaparecidos. O General Izidoro refugiou-se na Argentina, alguns soldados também, outros conseguiram  refúgio no Paraguai, esse foi o caso de Nilo, outros retornaram para casa e os demais, sob o comando de Miguel Costa, resolveram prosseguir incorporando-se com as tropas de Prestes, dando início a lendária “Coluna Prestes”, invicta e vitoriosa até o fim em 1927.  Nilo estava desaparecido, não se tinha mais notícia dele e achavam que ele tinha morrido em combate. Sua família, acreditando que ele realmente estava morto, pesarosamente,  realizaram uma homenagem religiosa e um enterro simbólico. Transcorrido aproximadamente um ano uma carta chegou na casa dos Stávale, a caligrafia no envelope foi imediatamente reconhecida, era de Nilo e a família vibrou de alegria. Na carta, Nilo contou que havia sido ferido em combate, estava em péssimas condições físicas, morando em um vilarejo no Paraguai próximo da fronteira com o Brasil e trabalhando por cama e comida apenas. Não havendo possibilidades de Nilo retornar sem ajuda, a família mobilizou-se e enviou Fernando (seu irmão) ao seu encontro. O regresso foi demorado, haviam muitos obstáculos a transpor, quando finalmente chegaram Nilo estava muito debilitado, doente e muito magro, mas o que importava é que ele estava de volta e uma forte emoção tomou conta de todos, Nilo logo estaria recuperado.

c)      João foi um estudante muito inteligente e dedicado a leitura, trabalhou  na Livraria Saraiva, em uma biblioteca e, constantemente, substituía professores em um colégio tradicional de São Paulo. Parecia que o futuro de João seria promissor, não fosse a paixão que arrebatou-lhe a lucidez. A mulher por quem se apaixonou era uma artista estrangeira de teatro de revista (ou teatro de pornô-chanchada) e promíscua, mas ele a amava, queria tirá-la daquela vida e casar-se. Ela, por sua vez, ao mesmo tempo em que alimentava as esperanças de João mantinha um relacionamento com um Coronel, que costumava ir vê-la no teatro. Várias foram as vezes em que João, ao ir buscá-la em seu local de trabalho, deparava-se com a figura do Coronel ao lado dela, até surgir uma noite em que João, contrariado, abordou-a indignadamente; ela, demonstrando indiferença, reagiu com provocações, humilhações e zombarias, juntamente com o Coronel que a acompanhava. Foi demais para o pobre João, humilhado e desprezado, sentia que sua vida não tinha mais significado e seus pensamentos foram gradativamente entrando em uma profusão de revoltas. Na noite seguinte João armou-se e foi ao teatro, na porta de saída, ao deparar-se com os dois, juntos e divertindo-se bastante com aquela presença, que eles consideraram patética,  prostrada à frente, provocou a ira de João, que sacou a arma e atirou; o Coronel tombou morto e João foi preso em seguida. Passado algum tempo encarcerado João conseguiu o direito de fazer sua própria defesa, autodidata e tendo estudado muito sobre direito, ele defendeu-se de maneira brilhante. Ao término do processo ele foi absolvido, conseguira provar que agiu em defesa de sua honra. Após isso, a artista retornou ao seu país de origem e João passou a beber descontroladamente. Compadecido com a situação de João, seu irmão Fernando o levou para a cidade de Getulina, onde morava com a esposa, para ampará-lo; mas nada iria adiantar, em 1942 João  também conseguira se absolver de seu destino na Terra.

d)     Fernando casou-se com Elisa e foram morar na cidade de Getulina, interior do estado de São Paulo, onde desenvolveu-se profissionalmente  como rábula, ou seja, era um advogado e promotor de justiça da cidade sem estar devidamente habilitado para exercer tais funções. O casal vivia feliz naquela cidade, todos lá os conheciam bem, respeitavam e admiravam. Onze anos se passaram quando em 1944 um empregado de uma fazenda, muito amedrontado, procurou Fernando; esse homem relatou a Fernando que o casal a quem trabalhava, proprietários da tal fazenda, foram selvagemente assassinados a pauladas enquanto dormiam pelos próprios filhos, que visavam ficar com a propriedade. Um dos filhos assassinos chamava-se Primo Beregato que, certo dia, cruzou com Fernando e este, imprudentemente, dirigiu-se ao assassino prometendo que iria provar o que tinha feito e fazer de tudo para colocá-los na cadeia. Essa imprudência iria custar caro a Fernando; passado algum tempo, distraidamente, Fernando conversava com um grupo de amigos em uma farmácia, às 17 horas, quando um homem parado na entrada o chamou, era Primo Beregato; não houve qualquer chance para Fernando, um único tiro certeiro, disparado a curta distância, levou sua vida na frente dos amigos. Fernando foi enterrado em Getulina no mesmo túmulo em que jazia seu irmão João, sua esposa Elisa, desiludida, voltou a São Paulo. Em 1970 sua irmã Maria mandou confeccionar duas placas em homenagem aos irmãos enterrados em Getulina e designou Alexandra para ir à cidade colocá-las em seus túmulos. Alexandra foi em companhia de uma tia e logo ao chegarem ficaram impressionadas com a receptividade dos habitantes, pois Fernando era muito querido lá; o próprio coveiro que o enterrou recepcionou-as ao adentrarem no cemitério. Esse coveiro contou a elas que no dia do sepultamento, apesar de ter ocorrido uma grande tempestade, quase toda a população compareceu à cerimônia. Contou também que o assassino, que era muito rico, na ocasião de seu julgamento havia comprado quase todos os membros do júri que o julgaria, fora então absolvido por 6 votos a 1. Seu castigo veio sob outra forma, morreria poucos anos depois completamente louco em um hospício.

e)     Maria conheceu Antonio de Pádua Pinto Moreira e os dois logo se apaixonaram, porém, essa história de amor iria sofrer uma interrupção “shakespereana”. A família de Antonio, proveniente da cidade de Viçosa – Minas Gerais, era muito conservadora e, assim como muitas outras famílias desse tipo daquela época, discriminava os italianos. Quando a família de Antonio soube do romance enviou o rapaz ao sul do país para passar algum tempo na casa de parentes. A tentativa de separação fracassou, 3 anos após, o destino os reaproximou na frente da Faculdade São Francisco, onde Antonio estudava. Mesmo contra a vontade dos pais do rapaz voltaram a namorar e acabaram se casando na Igreja da Querupita, Exceto Estevão, irmão mais novo de Antonio, nenhum outro membro da família do noivo compareceu ao casamento, não queria envolvimento com aquela “italianada”. Só aceitaram Maria quando ela engravidou, aí então foi  recebida formalmente em casa e passou a freqüentá-la, seu jeito simples, espontâneo e solidário acabou conquistando aquela família. 

f)        Sobre Jácomo. A biografia de Jácomo está inserida neste site no ícone “Currículos e Biografias”; acrescentamos porém que Jácomo casou duas vezes, a primeira com Tereza com quem teve duas filhas Maria de Lourdes e Lucília, que casaram com os irmãos Malheiros, a segunda com Consuelo com quem teve Maria do Carmo. Acrescentamos também o aspecto rígido e disciplinador dele como professor com seus alunos e que alguns de seus livros estão no Acervo Stávale.

g)     Sobre Carlos. A biografia de Carlos está inserida neste site no ícone acima descrito; destacamos porém sua personalidade alegre, seu gosto pela boemia e sua morte ainda jovem, vitimado por uma doença contagiosa epidêmica daquela época. Algumas de suas obras estão no Acervo Stávale.

h)      Sobre Emília. Foi a filha mais velha, casou-se com Miguel Colela e teve seus filhos morando sempre na casa dos pais; ela ajudou a mãe a criar os irmãos.

i)        Sobre Rosa. A biografia de Rosa está inserida neste site no ícone acima descrito. Acrescentamos porém a perda trágica de seus dois primeiros filhos Demóstenes e Maria Aparecida; o primeiro ao rolar as escadas de casa logo após ter aprendido a andar; a segunda, por gostar muito de tomar banho e brincar na água, a pequenina menina entrou de maneira inocente e precipitada na bacia com água fervente que era destinada ao seu banho, mas que descuidadamente foi deixada ao seu alcance antes do tempo pela empregada do casal. Rosa teve o terceiro e último filho, Lenine, a quem dedicou suas atenções intensamente de forma a tentar compensar a dedicação que teria dado aos dois anteriores.

j)        Sobre Mario. Assim como Carlos, gostava da boemia e também morreu jovem, vitimado por uma doença contagiosa epidêmica daquela época.

k)      Sobre Carmela. Foi também uma professora excepcional. Acrescentamos a existência, no Acervo, de uma árvore genealógica completa resultante da união de Carmela com José Marcelino de Oliveira.

l)        Sobre José. Foi um homem simples e que trabalhou durante muitos anos no Cotonifício Crespi. Essa enorme industria têxtil, fundada em 1907, apesar de hoje restar somente o prédio, marcou época no bairro da Mooca e seu fundador, o imigrante italiano Conde Rodolfo Crespi, fundou também em 1930 o Clube Atlético Juventus, localizado no mesmo bairro. A união de José com Amábile Martini Olivier, filha de Natale Olivier e Luiza Martini, desencadeou uma grande mudança nas características físicas genealógicas que se procedia até então. Amábile, uma linda representante de Vicenza, loira, olhos azuis e pele bem clara, predominou na herança genética de seus descendentes e até hoje, após 4 gerações, podemos encontrar descendentes com características semelhantes da tataravó.

Considerações finais. Alexandra é uma pessoa alegre, simpática, gentil, talentosa e que estimamos muito; graças à sua personalidade cativante sempre foi muito querida e solicitada nos encontros e reuniões da família durante sua infância e juventude; conviveu inclusive com membros da família dos descendentes do casal de imigrantes Giuseppe Stávale e Angelina Marzullo, particularmente com Giácomo e sua filha Adelina e José, Roberto e Alfredo, filhos de Ernesto, de quem tem saudosas recordações. Alexandra encerra seus casos lembrando sua avó Maria Stávale: “ A vida de minha avó foi cheia de lutos, de sofrimento, mas também teve muitas alegrias e minha avó era muito alegre, repleta de amor para dar; não criticava ninguém, pelo contrário, elogiava e justificava os atos das pessoas; quando já bem velhinha e debilitada por uma doença, própria da senilidade, costumava ter alucinações, perguntava todos os dias se os pais e os irmãos já haviam chegado para jantar; o vínculo que os unia era muito forte, muito bonito e minha avó amava demais a todos.”  

C-4  CASO ENVIADO POR DONA TEREZINHA FERNANDES STÁVALE (ÁRVORE DE PIETRO – BRASIL I), DA CIDADE DE SÃO PAULO.  

Em 1930 Terezinha, então com apenas alguns meses de vida, dormia tranqüilamente em seu berçinho quando foi violentamente acordada e sacudida por um estrondo; era o início de uma série de infortúnios que viriam marcar sua vida. Seu jovem pai, na época com 25 anos, era um talentoso alfaiate, assim como o pai Pietro e o primo dele Pasquale, mas também era desenhista projetista de uma fábrica de fogos de artifício, a qual era sócio. A fábrica localizava-se no bairro de Santo Amaro (zona sul de São Paulo) e há alguns quilômetros do local, no bairro do Itaim Bibi, moravam alguns parentes que, em certo dia, perceberam um incêndio no horizonte e a possibilidade de ser na fábrica, uma vez que em 1930 a cidade, principalmente nas regiões periféricas, ainda não era muito povoada e não haviam prédios altos. Correram ao local e então, estupefatos, confirmaram as suspeitas e tomaram conhecimento da história de tragédia e heroísmo que acabava de ocorrer na fábrica. Dona Alice, mãe de Terezinha, João e Pedro, no dia dos acontecimentos precisou ir a um hospital e, como de costume, deixou a pequena Terezinha na fábrica com o dedicado pai para tomar conta. Acontece que nesse dia, devido ao descuido de um funcionário, houve um princípio de incêndio que causou uma forte explosão e as chamas não poderiam mais serem debeladas. Alfredo, ao perceber o que acontecia, encheu-se de brios e entrou na fábrica, esquivando-se das chamas, resgatou intacta a pequena Terezinha que chorava aterrorizada; voltou ao interior da fábrica várias vezes ainda para ajudar no resgate dos funcionários, até que na última vez uma viga caiu sobre seu corpo, deixando-o completamente imobilizado e à mercê das impiedosas chamas que devoravam suas pernas. Alfredo acabou sendo resgatado, porém, as queimaduras tirariam sua vida no interior do hospital.

Dona Terezinha conta emocionadamente a história de amor e morte de sua mãe, Dona Alice. Em sua juventude, com 15 ou 16 anos, Alice apaixonou-se loucamente pelo jovem e elegante vizinho, Alfredo Stávale. Entre as casas dos dois havia uma cerca de arame, que era constantemente transpassada às escondidas por Alice, em seu ímpeto inquietante de ver o namorado que amava tanto. Em uma dessas puladas de cerca Alice rasgou uma perna no arame e teve uma veia seriamente prejudicada. O destino seria impiedoso para com Alice, não bastando o fato de ter perdido Alfredo tragicamente, acabou morrendo aos 52 anos em decorrência das seqüelas causadas por aquele acidente na cerca.

Dona Terezinha lembra também saudosamente dos irmãos. O mais novo, Toninho, morreu quando ainda era um bebezinho, nos braços da angustiada mãe, vítima de um dos flagelos da época, a meningite. João (Joãozinho, como era conhecido) tinha duas paixões: o futebol, era um excepcional goleiro, elogiado por diversas vezes pela imprensa local da época; e os cavalos, orgulhava-se do haras de sua propriedade e que produzia verdadeiros campeões de corrida, ganhando inclusive alguns páreos e grandes prêmios do Jockey Club. Morreu também de forma trágica, causada, por ironia do destino, involuntariamente por uma de suas paixões. Por volta de 1990, em uma estrada vicinal do interior do Estado, seu genro dirigia o carro, em que estava como passageiro, sem perceber o perigo que se aproximava, um cavalo que inadvertidamente atravessava a pista. Não houve tempo para nada, seu genro ficou apenas ferido, mas João e o cavalo morreram juntos no local. E o Pedro que, sentindo-se sem referências familiares, uma vez que perdeu muito cedo seus pais, procurou por muitos anos encontrar parentes Stávale, que sabia que existiam, para estabelecer os laços que não haviam. Chegou a encontrar alguns, mas seu já cansado coração, em 2003, impediu de forma definitiva que progredisse em seu desejo. Dona Terezinha até hoje (ano de 2004) aos 74 anos continua sendo uma mulher muito ativa, ainda trabalha comprando e vendendo mercadorias e de muita fibra, qualidade que desenvolveu desde jovem pois, além das perdas trágicas na família, não pôde contar com o marido, que saiu de casa e a deixou quando sua filha mais nova tinha apenas 5 anos. Apesar de tudo ela não se queixa de nada, tem a gratidão dos seus 5 filhos e o carinho e a visita constante de seus netos. 

C-5 Caso enviado por João Stávale da cidade do Rio de Janeiro (Árvore BR- Luigi).

História Sintetizada da Família do Patriarca Luigi Stávale

João Stávale, filho de Luigi Stávale e Giuseppina Miceli, nascidos na Itália, mais precisamente, Luigi na cidade de Paola (porém, a família tem origem em Fuscaldo) e Giuseppina na cidade de Fuscaldo, ambas na Calábria - Província de Cosenza. Casaram por procuração e tiveram quatro filhos: Julio, João, Lydia e Laura (já falecida). Nascemos na cidade do Rio de Janeiro e fomos criados num ambiente pobre, porém com muita honestidade e dignidade; todos os quatro filhos com educação esmerada; no ano de 2004 perdemos a Laura, nossa irmã caçula, que nos encheu de tristeza. Nosso pai era um homem de primeira qualidade, tinha o 2º ano primário apenas mas lá em Paola era um artífice muito habilidoso e até tamancos fazia para seu próprio uso, qualidades estas que eu herdei. Enfatizo todos os quatro filhos serem dignos, com educação privilegiada e que até hoje trilham pelos caminhos da honestidade e da dignidade, infelizmente agora sem a Laura, que já se encontra no oriente eterno, ornamentando aquele jardim florido, próprio das grandes personalidades. Ela era muito simpática e encantava a todos que a conheciam. Meu pai era um trabalhador progressista e exemplo da família, logo depois que chegou da Itália começou a trabalhar no Mercado Municipal da Praça XV - Rio de Janeiro, puxando carrinho de mão popularmente chamado de “burro sem rabo”. Rapidamente, com sua simpatia e honestidade, angariou muitos fregueses, entre os quais a famosa “Casa Simpatia” que servia o tradicional refresco espumante de coco seco e também vários tipos de sucos de frutas, água de coco verde vindo da Ilha Grande e chope gelado nas mesas que circundavam. Quem abastecia essa famosa e tradicional casa era o meu querido pai Luigi, que todos os dias levava muitas vezes os carrinhos abarrotados de mercadorias. Hoje, com o crescimento do trânsito, ficou impraticável aquela atividade na Avenida Rio Branco. Tempos depois a “Casa Simpatia” fechou as portas, dando lugar a uma lotérica e outras firmas. Outro freguês de meu pai, a “Casa Nice”, ficava na antiga Galeria Cruzeiro, que tempos depois foi toda demolida para lugar ao complexo do Largo da Carioca. Apesar das dificuldades meu pai era um vencedor incansável e acabou tornando-se um comerciante, estabelecido e legalizado na Rua 13, nº 8, do Mercado Municipal da Praça XV, onde criou e deu estabilidade à família. Meu pai nunca teve empregados, eu e meu irmão Julio acordávamos todos os dias às 4:30 horas da madrugada, inclusive aos sábados e domingos e pegávamos um bonde, que tinha o número 45, ou íamos na carroceria de algum caminhão, com destino ao Mercado para ajudar meu querido pai a vender no varejo legumes, frutas, principalmente cocos verdes ou secos, produtos típicos do norte, rapaduras, gengibre, cestos, abanos, flechas, paus para enxadas etc... Às 7:00 horas da manhã deixávamos nosso pai e, com uma pasta na mão, viajávamos no bonde Tijuca nº 66 com destino a Rua Hadock Lobo, onde saltávamos, subíamos a Rua do Bispo, adentrávamos na Rua Itapagibe até chegarmos ao Colégio Paulo Freitas, que hoje é uma casa de cômodos. Meu pai tinha muitos amigos no meio pugilístico, da época em que foi “boxer” amador. Naquele tempo o boxe era a “coqueluche” do Rio de Janeiro e ele foi o segundo (sparing) de vários lutadores famosos da denominada “nobre arte”. Tinha amigos como: Armando Ragazzi (treinador), Bussoni (treinador), Jaime Ferreira Jr (locutor) e muitos outros que sempre procuravam-no para matar as saudades. Papai ficou tão feliz no dia em que foi declarado aspirante do curso de infantaria “C.P.O.R.” que ele ofereceu um almoço em nossa residência ao Comandante da Infantaria Tenente Coronel Alceste Petterle, que era pai da então Miss Brasil Lucia Petterle e vários outros oficiais, majores, capitães... Outro momento de muita felicidade de meu pai foi quando da minha formatura de Bacharel em Direito pela Faculdade Brasileira de Ciências Jurídicas, localizada na Praça da República, cuja missa foi celebrada na famosa Igreja da Candelária. Antes desse acontecimento, quando cursava o 4º ano de direito, fui escolhido para proferir a “Saudação aos Calouros”, meu pai ficou muito emocionado ao ver seu filho saudando os calouros no auditório da faculdade onde estavam presentes os ilustres catedráticos: Benjamin Moraes, Hélio Tornaghi, Evandro Gueiros, Hélio Gomes, Wandick Londres da Nóbrega, Professor Francisco Horta, Darci Villaça, Roberto Piragibe, Francisco Agenor Ribeiro, Sudá de Andrade, Clóvis Maranhão, entre outros que iluminavam a Faculdade. Voltando aos tempos de criança, lembro que quando tinha 11 anos de idade acordávamos bem cedo e nós, digo, meu pai, eu e meu irmão Julio pegávamos o bonde 45, ou íamos na carroceria do caminhão do amigo Alberto (perdoe estar repetindo o fato) e viajávamos de Catumbi para o Mercado Municipal na Praça XV. Era um belo Mercado de forma circular, ao contrário dos que se apresentam hoje de forma retilínea e longitudinal. Proporcionava aos fregueses e visitantes, sem perder tempo, a rápida visualização, movimentação e precisão nas compras. Que saudades daquele mercado maravilhoso... foi demolido para dar lugar a Avenida Perimetral, que liga o centro da cidade à zona sul. Do mercado restou apenas um pavilhão como lembrança, onde funciona um restaurante famoso por sua especialidade em frutos do mar. Perdoe-me querido Reinaldo por estar escrevendo em doses homeopáticas, a história é longa e não consigo amealhar os assuntos que quero descrever em ordem cronológica. Mas ressalto, em alto e bom tom, que a descrição é autêntica, porém sintetizada, porque o meu pai merece muito mais, ele é nosso ídolo, pessoa de reputação inigualável e quero ter a honra, como filho, de reconhecer o exemplo edificante de seu legado. Tenho certeza que meu pai, nesse instante, deve estar muito feliz no “jardim florido do oriente eterno”, exemplo inigualável para seus filhos e, porque não dizer, para a humanidade. Meu pai, lembro que, apesar de sua ignorância, com seu carinho e sua força de vontade pegava nossas frágeis mãozinhas de criança e, com jeito todo especial, apesar de seu cansaço do trabalho árduo, ensinávamos a manejar o lápis no início de nossos estudos. Obrigado pai Luigi por voce ter existido. Querido Reinaldo Stávale, este é um breve histórico da saga do imigrante Luigi Stávale, um homem honesto, digno, de reputação incontestável e que se destacou como pai e cidadão brasileiro, apesar de cercado pala maldade que infesta nosso mundo. Será que as pessoas ainda não se conscientizaram da nossa breve passagem pela Terra e que “viemos nus ao mundo e nus retornaremos”, inevitavelmente para o decresço sombrio, taciturno, fantasmagórico e horripilante da sepultura? A morte é inevitável, nós nascemos, crescemos, reproduzimos, decrescemos e morremos, inexoravelmente, como preconiza peremptoriamente o “livro dos livros”.

Querido Reinaldo, eu teço loas à sua iniciativa de perscrutar a história dos Stávale.

João Stávale. Rio de Janeiro 17 de Outubro de 2006.

(Em tempo: voce foi premiado com a primeira edição que escrevi sobre Luigi Stávale)

C-6 Cases sent by Robert J. Stávale (Michigan - USA, Tree of Natale - USA I)

Bob 's Story

My name is Bob, I am a 47 year old retired career Army Officer (now a consultant) married, with two children and a Lhasa Apso named Pepsi They aren't children anymore, I should say teens or perhaps young adults (but don't tell them that). I was born with a unilateral cleft lip, partial cleft in the gum and a separated/split uvula. I consider myself lucky in that I did not have any severe speech or hearing disorders generally associated with a cleft. Growing up in the '50s there was nothing like the Cleft-Palate or Cranio Facial Teams that are prevalent today. I sort of wish I would have been more interested in what I went through and knew more about the doctor who took care of me up until I was 14 or 15 years old. But, hind sight is 20-20. My wife, No Kyong, whom I met in Korea (1976), gave birth to our first born (son) in 1980. He was 11 weeks early (his time table, not the doctors) was healthy as a horse, except that he came in at 2lbs-9ozs on Father's Day in 1980. On the other hand, our daughter born 25 Dec 1983 at the 197th Army Evac Hospital in Frankfort, Germany was born with a bilateral cleft lip and palate (hard and soft). We had heard that clefts are congenital and such, but after our son was born healthy, it really didn't cross our mind. Standing in the delivery room when Rebecca was born was exciting, and about the only one who reacted surprised was the Army Major who delivered her. She (Dr. Chi) immediately took Becky and it was a bit longer than usual until she gave her back to my wife. I seemed to know something was up since the Dr did not show Becky to my wife immediately at delivery, she sort of hid her in passing her over to the nurses to get suctioned and cleaned up. Regardless of the circumstances, it was a very merry Christmas Day for us in 1980. For the sake of trivia, I was born on Father's Day 1949 @ 2lbs-15oz. About 11 weeks early; Louis, our son was born on Father's Day 1980 @ 2lbs-9oz, also about 11 weeks early; Becky was born Christmas Day 1980; and my wife No Kyong was born on Valentine's Day 1955. Now, back to our story What then began to unfold was what a lot of you have gone through. What do we do, where do we go and who do we see. I guess it was even a bit more traumatic since I was in the middle of a tour of duty in Germany, no family around, etc We weren't in a big stateside city or near any university medical complexes. Obviously, the Army wouldn't know what to do. Boy, was I wrong. The Army had been changing drastically, especially with consideration for families, quality of life, and "Exceptional Family Members". The Exceptional Family Member program was instituted for those military families with family members who suffered from birth defects, mental illness, etc., so as to assist them as much as possible in caring for the family. How could a soldier (regardless of service or rank) function and do a good job if he/she had to worry about special family problems. This program brought together the best of both worlds (in my opinion). Let me tell you how. The Army happened to have a real, honest to goodness cleft-palate team (full-up) that worked out of the Army Hospital in Landstuhl, Germany. Funny, but not knowing how prevalent cleft palate births were, I almost thought that no one else ever had this happen to them. Boy, was I one of the uninformed. Even at the Army hospital in Frankfort, they were able to tell me about the team and believe it or not, they were able to give us the special baby bottle nipples to feed Becky with, since she could not suck on a regular bottle nipple. Any how, Becky had her first surgery in Landstuhl at about 3 months. They closed her lip, and put tubes in her ears. This was around April of 1984. She was back in the hospital to replace tubes and have some oral surgery (at 18 months old in 1985 before we rotated home to the states). Once back home, December 1985, I was stationed in the Metro Detroit area (happened to be my hometown also). It was almost like starting over because we lost the security of working with the Doctors and professionals on the Army Cleft-Palate Team in Landstuhl. We had to find a new "team", wonder if they were as good as the one we left. Would they continue on with what we had started, would they change things, etc, etc, etc., Well, that wasn't too bad either. We ended up with the Cleft-Palate Team at Children's Hospital of Michigan (then Detroit Children's Hospital). They were great, but we always had the feeling we were passing through (because of the Army) and would have to change Teams again. Since there was no major Army or military facility in the area, we were able to seek out a referral and switched over to a plastic surgeon (Dr. Tom Kapetanski) who was the head of the Team at Sinai Hospital in Detroit. He proved to be super and extremely caring and talented. Unfortunately, he was killed when his plane crashed around Christmas of 1987 (I may have the date wrong). He was able to to a revision on Becky's Cleft Lip in the summer of 1986. What has happened, again, faced with finding someone new. Starting over again, after we had felt comfortable with a Dr and a team. We opted to stay with the team at Sinai, another Dr (a talented oral surgeon took the team over). He has been taking care of Becky since 1987 or so. He performed the bone grafting to her upper jaw (left and right of of the maxilla). Now, Becky will be 13 and in the next couple of years we will be faced with another round of surgeries in the Cleft Palate time table. There is still some jaw related work to be done, and always the concern about a prosthesis to help her speech (though she hasn't needed one to date). If those tonsils ever need to go, she will be impacted. By the time she is 17 or 18, she will be at a stage where hopefully the final revision work can be done or will have been completed on her lip and nose. The things we have to be prepared to deal with are her move into junior high next month, new friends, more activities and of course "BOYS". We worry, as any parents do, at what her reaction will be if she doesn't' get invited to the "big dance" (whenever that may be), her first date, etc. She is strong, intelligent and pretty, but, no one has put her to the test yet... the test I remember as a youngster and teen, the name calling or perceived rejection by kids, talk behind your back, etc. Whether it actually happened, or was imagined, there were "differences". I honestly believe I was not impacted severely, but at times it was a "crutch" to lean on. I hope that part of growing up with a Cleft has changed. So far it appears to have, but there is always uncertainty. Thanks you for your time and the opportunity to submit this story. I will continue to monitor Cleft-talk, and can always be reached via email. I hope this story proves helpful, if only to one person who reads it. I plan to have Becky access Wide Smiles and Cleft-talk also. She can write for herself, and also read about the experiences and successes of others. Sincerely, Bob (Becky's Dad) Stavale

 

C-7 Casos enviados por Reinaldo J. Stávale da cidade de São Paulo (Árvore de Pasquale - Brasil I).

a) Família Stávale - 5ª Geração no Bairro da Mooca.

FAMÍLIA STÁVALE - 5ª GERAÇÃO NA MOOCA

Meu tataravô Pasquale Stávale (de Fuscaldo - Itália) com sua esposa, minha tataravó Julia Ravagni (de nacionalidade austríaca), desembarcaram no Rio de Janeiro em 1880, mas logo mudaram para o bairro do Bixiga, em São Paulo, quando seus filhos ainda eram pequenos.Pasquale era excelente alfaiate e chegou a ser um dos responsáveis pelo uniforme da Guarda Imperial. A família era muito unida e numerosa, tiveram 12 filhos, todos muito valorosos e de muita fibra, uns menos afortunados morrendo precocemente, outros destacando-se na sociedade da época.Dois filhos de Pasquale e Julia foram homenageados pelo governo por suas contribuições à educação brasileira: A professora Rosa Stávale, homenageada pela Prefeitura de Atibaia atribuindo seu nome na Escola Municipal de Educação Infantil Professora Rosa Stávale. E o professor Jacomo Stávale, autor de vários livros de matemática tornando-se referência nacional do ensino da época, homenageado pelo Governador Jânio Quadros atribuindo seu nome na Escola Estadual Professor Jacomo Stávale, localizada no bairro da Freguesia do Ó e também a uma rua localizada na Vila Prudente, Rua Professor Jacomo Stávale.Todos os anos, na época do Natal, eu levo o Papai Noel para as crianças da Escola Rosa Stávale e para as crianças do entorno, zona rural de Atibaia.Muitos descendentes de Pasquale e Julia tornaram-se ilustres médicos, professores, engenheiros etc... E todos os descendentes podem ser localizados em uma das árvores genealógicas do www.stavale.com , assim como os ascendentes italianos até o ano de 1750, aproximadamente.Um dos filhos, meu bisavô José Stávale, casou com minha bisavó Amábile Martini Olivier e vieram morar na Mooca, na Rua Javari nº 293. Trabalhou muitos anos no Cotonifício Crespi e seus filhos também.José Stávale Junior, meu avô, trabalhava no Crespi quando casou com minha avó Yolanda Squassonni e também foram morar na Rua Javari, onde hoje é o estacionamento da Pizzaria São Pedro. Na época não existia a pizzaria, existia uma espécie de mercearia na esquina da Rua Javari com a Rua Visconde de Laguna. Quando eu era bem pequeno um irmão de meu avô levava-me a essa mercearia e comprava balas e doces para mim.Helio Stávale, meu pai, era contador e trabalhou inclusive no Supermercado Franchini, na Rua Borges de Figueiredo e no Escritório Universo, na Rua Visconde de Laguna. Casou com Lygia Cattozzo, que depois tornou-se Lygia Stávale, minha mãe e também foram morar na Javari, onde eu e meu irmão Mauricio passamos uma parte da infância. Lygia morava com seus pais na Rua Itajaí, numa casa que depois tornou-se o grêmio da Indústria de Tapetes Bandeirante. Lygia foi operária da Alpargatas, bibliotecária da Biblioteca da Mooca e Agente Vistora (Fiscal de Obras) da AR-MO, onde se aposentou. Depois mudamos para a Rua Itajaí nº102, onde hoje é uma firma de metais, nossa casa era a maior e mais bonita da rua, lá nasceu o caçula Ricardo, quatorze anos mais novo que eu e passou sua infância.Estudei nas escolas da Mooca e iniciei minha vida profissional também na Mooca. Meu primeiro emprego foi no antigo Foto Miura, na Rua Orville Derby ao lado da Padaria Estoril, como fotógrafo. Devo minha vida profissional à família Miura, imigrantes do Japão que se estabeleceram na Mooca e atualmente moram na Rua Jumana nº167.Eu casei com Eleide Desire Furlanetto, que depois tornou-se Eleide Desire Stávale, sua família também morava na Mooca, seu pai Jair era filho de italiano e sua mãe Lídia faz parte da colônia de lituanos. Eleide sempre foi uma linda mulher e quando mocinha fez propaganda do sabonete Gessy na TV trabalhando na Agência Lintas. Fomos morar na Rua Florianópolis nº 332 - Mooca e após alguns anos mudamos com nossos filhos Victor e Yuri para a Rua Ararigbóia - Mooca, onde moramos até hoje. Então, estamos na 5ª geração de nativos da Mooca, amamos o bairro, somos parte dele, parte de sua história e temos orgulho disso.Este caso histórico foi requisitado pelos responsáveis do web-site do bairro da Mooca, editado, ilustrado com fotos e inserido no http://www.portaldamooca.com.br/

 

b) Caso Nilo II.

Este caso é sobre a vida de Nilo Stávale, filho do casal de imigrantes Pasquale e Júlia, compilado de declarações de Annanélia (de Florianópolis - Santa Catarina) e de Alexandra (de Pindorama - SP)
A vida de Nilo não foi nada fácil e não termina bem, como acontece nos filmes e nas novelas. Após sua breve e dramática aventura, engajado voluntariamente nas tropas dos revoltosos de 1924 (Caso registrado no item C-3 b e extraído de declarações de Alexandra), em 1928 Nilo alista-se no Exército, tornando-se soldado reservista de 3ª categoria.
Depois da experiência no Exército, o tempo passava e Nilo não conseguia estabilidade profissional e financeira, então seu irmão Fernando (ver Caso de Fernando no item C-3 d) resolve ajudar. Fernando era representante da justiça no município de Getulina - SP (Getulina fazia parte da Comarca de Lins).
Por volta de 1936, Nilo aceita o convite de Fernando para morar e trabalhar com ele. Em 1937 inicia uma série de sucessões de nomeações de Nilo como Oficial de Paz, no Distrito de Macucos (Comarca de Lins), em substituições ao titular Fernando.
Nessa mesma época Nilo conhece Nair Miélle. Nascida na cidade de Rio Negro - Paraná, em 27/03/1911, Nair era uma linda mulher e encantou Nilo.
Nair passaria a ser a principal razão de vida de Nilo e, depois, paradoxalmente, também a principal razão de sua morte.
Em 20/04/1939 Nilo e Nair casam em Getulina, uma das testemunhas do casamento era Antonio de Pádua Pinto Moreira, avô de Alexandra.
No ano de 1942 veio a consagração profissional de Nilo, obteve sua Habilitação de Escrevente no Cartório do Distrito de Guaraniuva, Comarca de Lucélia (ver cópia da Habilitação no ícone Acervo).
Entretanto, a vida emocional de Nilo era muito atribulada, passava por altos e baixos devido as constantes discussões e desavenças com sua esposa. Nair, além de ser muito bonita, era também muito impetuosa e muito cobiçada.
Em uma dessas desavenças, Nair saiu de casa, retornou depois de alguns meses grávida e pediu para Nilo aceitá-la de volta dizendo que o filho era dele.
Nilo a amava demais, cede aos seus encantos e aceita Nair de volta ao lar.
Em 29/05/1947 nasceu Máximo Stávale, na cidade de Tupã (SP). Nilo escolheu o nome da criança inspirado em Nair, ele achava que o que ela fez com ele foi o máximo, daí veio a inspiração do nome.
Durante a vida tumultuada do casal, Nilo e Nair tiveram vários endereços: de 1936 a 1842 moraram em Macucos (SP); em 1945 consta que moraram em São Vicente - SP (Rua 13 de Maio, 109); em 1946 moraram em Lucélia; em 1947 moraram em Tupã (SP); e, por último, na cidade de São Paulo (Rua Lopes de Oliveira, 596 - bairro da Barra Funda).
É quase certo que Nilo sabia que ocorria a infidelidade de sua esposa, na verdade, Nair mantinha um caso com Mário Guedes de Mello, era uma espécie de triângulo amoroso onde nenhum dos dois queria perdê-la, mas que fez com que Nilo se abatesse e bebesse cada vez mais.
Em 23/01/1949 nasce Mary (parece que foi esse o nome dado para a menina na época) ou Maria Celeste (nome adotado posteriormente). E em 04/07/1950 nasce Nélio.
A história de Nilo termina precocemente em 26/08/1951, aos 45 anos, vítima de cirrose hepática, provocada pelo excesso de bebida. O atestado de óbito foi firmado pelo Dr. Nelson de Mello Malheiro (marido de Maria de Lourdes, filha de Jacomo, que era irmão de Nilo).
Em uma nota de jornal da época, que está em poder de Annanélia, consta o anúncio da morte de Nilo deixando dois filhos: Máximo e Mary.
Após a morte de Nilo, Nair assume o seu relacionamento com Mário e passa a morar com ele.
Uma escritura de adoção, datada de 07/06/1960, declara o novo pai das crianças de Nair; o adotante é Mário Guedes de Mello. O sobrenome Stávale de Máximo, Maria Celeste e Nélio é substituído por Guedes de Mello.
Mario Guedes de Mello faleceu em 07/06/1967, aos 73 anos, morava em Ribeirão Preto (SP). Em seu obituário não consta que deixou os filhos Maximo, Maria Celeste e Nélio; consta que vivia maritalmente com Nair, que era viúvo de Eliza Mendes de Mello e deixava os filhos Newton, Sidney, Dagmar, Mario, Jomar e Neide.
Nair faleceu em 12/09/1973 levando com ela três grandes mistérios. Quem seria realmente o pai das três crianças? Ou o pai de uma apenas? Ou o pai de duas?
Esse assunto é um grande tabu na família de Annanélia, seu pai Nélio e os irmãos Máximo e Maria Celeste evitam comentar.
Nilo está sepultado em São Paulo, no Cemitério do Araçá (Avenida Dr. Arnaldo, 666), na quadra 14, do terreno 4-A. A “guerreira” Annanélia (filha de Nélio) já foi visitá-lo e afirma que não descansará enquanto não desvendar o mistério. 

 

C-8 Caso (abbreviazione storica) spedì da Francesco Stávale Picarelli (Árvore Italia III), del Belgio.

Francesco Stávale Picarelli, figlio di Alfredina Stávale e Picarelli nato il 18 aprile 1942. Italia - Belgio. Indirizzo: Vritselstraat 30, Dilsen - Stokkem, Limburgo 3650.

Mio carisimo cugino Reinaldo,
questa e la mia storia:
Nel mese di setembre del 1957, a soli 15 anni,
lascio l’Italia per trovare una nuova vita, ecco che il 13 setembre del 1957 arriviamo in Belgio,
una nazione sconosciuta fortuna che erano gia in tanti del nostro paese.
A soli 17 anni o cominciato a lavorare nella miniera di Eisden, insieme a mio padre,
5 anni dopo sono andato a lavorare nella costruzione come carpentiere in ferro.
Dopo 20 anni sulla costruzione di lavoro
mi ritrovo nella casa di disocupati, senza lavorare dal 2002, sono penzionato,
passo il tempo sul computer, facio qualche picolo lavoro
fino oggi si sta ancora un po bene e speriamo continuare ancora cosi
finche Dio ci lascia vivere.
Insomma ne o pasate di tutto
e io penso tutti noi italiani che abbiamo dovuto emmigrare all'estero
piu o meno sonostati tutti uguali.
Ora caro cugino lo giudichi tu stesso questa o mio picolo riasunto,
spero che lo capisci tutto
Ti saluto con molto affeto e sono il tuo cugino Francesco Picarelli,  ciao e a presto.

C-09 Caso enviado por Maria Alice Molinari Dechiare (da cidade de São Paulo), enteada do Maestro Salvatore Stávale (Árvore Brasil II).

Meu nome é Maria Alice Molinari Dechiare, sou enteada do Maestro Salvatore Stávale, que foi casado com minha mãe por 14 anos, desde minha infância até minha fase adulta, hoje, julho de 2012, tenho 34 anos. Cantei no coral do Cantante Domino por muitos anos.
Reinaldo, fico muito feliz que tenha tido todo este contato com meu pai, ele é muito especial pra mim. Minha mãe, talvez você tenha conhecido então; lembra-se da organista do coral? Marta Molinari. Pois bem, é minha mãe. Ela tocava junto com ele, tanto nos casamentos quanto no coral. Foram 14 anos assim.
Eu apresentava o encontro de corais na Igreja Nossa Senhora Aparecida por alguns anos.
Sempre estive neste meio musical com ele, indo nos casamentos em que ele tocava, cantando no coral e também estudei música por 8 anos por conta dessa influência em casa, de ambos.
O meio italiano então foi o mais prazeroso possível, todos os amigos "patrícios" Domenico, Damiano, Armando, Gino etc... do Maestro, me tinham como filha também, sabe como é... filha do amigo italiano, vira filha de todos amigos também.
Eu vivenciei muito esse lado musical dele e também com os amigos italianos e a parte italiana, indo a festas com ele e frequentando esse meio, estudei italiano, quando pequena dancei num grupo folclórico calabrês de uma associação em que ele era diretor e, depois, aos 19 anos, montei meu o próprio grupo.
A história dele e da minha mãe é muita bonita, eles se conheceram em São Caetano do Sul, de onde é minha família (uma das precursoras de imigrantes na cidade), na Igreja de São Caetano, no bairro da Fundação, lá ele era o maestro e também tocava o órgão. Minha mãe tinha 15 anos e ele 34 anos. O filho mais velho dele era criança, lembra minha mãe. Eles ficaram amigos, pois ele e o padre da igreja na época, o Padre José, a incentivaram a estudar música e a ensinaram a tocar órgão. Minha mãe ama música e artes em geral, logo ela passou a tocar nas missas da cidade e, a pedido do Padre José, passou a pintar e restaurar quadros e estátuas da igreja, inclusive a pintura que cobre boa parte do teto da igreja (ela é uma excelente artista autodidata). Após alguns anos, ele foi para a Igreja Nossa Senhora Aparecida, no Ipiranga (onde permaneceu até o final de sua jornada), então minha mãe e o Maestro perderam contato. Depois, minha mãe se casou com meu pai biológico, viveu muitos anos com ele até a separação. Então, muitos anos se passaram até que, eu e minha mãe (lembro como se fosse ontem), fomos até a Igreja Nossa Senhora Aparecida e ela o reencontrou. Sua esposa Maria Grazia havia acabado de falecer. Minha mãe, por amar a música, passou a tocar no coral em que ele regia (Cantante Domino), após algum tempo, firmaram compromisso e ele veio morar conosco, foi maravilhoso, pois recebi dele a postura de pai. Ele me ensinou muito sobre a Itália, sobre música e sobre religião e espiritualidade, como bom espiritualista da Ordem Rosa Cruz que ele pertencia.
Ficava com ele muitas vezes lá no órgão da Igreja Nossa Senhora Aparecida, que ele levou 3 anos para afinar. Nossa... quanto trabalho, ele trabalhou demais lá, afinou aquilo tudo sozinho, com muito carinho e deixou aquele órgão de tubos impecável, afinadíssimo e novo, presenciei muito tudo isso, às vezes levava o almoço na igreja para ele e ficava lá, ele queria me mostrar como fazia, as pecinhas minúsculas, nossa... era um trabalho de artista.
Tínhamos conversas longas quase todas as noites, até às 3 ou 4 horas da madrugada, só eu e ele, falando de diversos assuntos. Ele foi meu confidente também, era um pai com uma cabeça muito aberta e muito boa, apesar da idade. Até o dia em que ele e minha mãe se separaram, 14 anos depois, devido ao desgaste da relação entre ambos. Eu e ele mantivemos contato de qualquer forma. Obviamente que já não nos víamos diariamente, pois eu me casei, mudei para Santana de Parnaíba, mas nos falávamos bastante e tudo que vivemos na época eu vivo hoje, em cada traço da minha vida, com meu marido e agora com minha filha, que infelizmente ele não chegou a conhecer.
Tínhamos uma cumplicidade enorme, uma afinidade enorme, tão grande que no meio italiano, entre a comunidade, quase ninguém sabe que eu não sou filha biológica dele, pois nos achavam muito parecidos e ele sempre me apresentava como sua filha para quem quer que fosse. Só não tenho o sobrenome Stávale em meu registro, porque acabamos não providenciando isso, apesar de ser uma vontade enorme dele e por me falar disso durante anos e anos como um desejo pessoal.
Tinha e tenho muito orgulho de tê-lo tido como pai, de suas obras e de seus ensinamentos.
Reinaldo, quanto a data de nascimento dele, ele chegou a me dizer algo a respeito, que talvez o registro possa ter sido feito depois, não sei direito, mas sempre disse que seu aniversário era 29/01, estranho ele ter te falado 01/02, deve ter se confundido na hora ou não entendeu direito quando você perguntou, pois comemorávamos sempre nessa data, fizemos até festa surpresa, com o coral, nessa data. Além de que, o Maestro, como profundo conhecedor de astrologia, por meio da Ordem Rosa Cruz, fazia mapas e todas as coisas do gênero, tinha seu mapa astral pessoal contando o dia 29/01 como de seu nascimento, sabia a hora e tudo certinho. Não sei como poderia comprovar isso, os documentos dele estão na sua pasta, no consulado italiano.
Bem... é isso, obrigada pela gentileza e atenção.
Bacione.
Maria Alice Molinari Dechiare
Coordenação Geral do Grupo Nostra Itália
Phone: 55 11 4153-2884
             55 11 9610-2744
[email protected]
www.nostraitalia.com.br
http://www.facebook.com/NostraItalia

 

C-10 Caso enviado por Sonia Regina Aparecida Stávale, de São Paulo, (Árvore de Pasquale - Brasil I)

Nascido a 19 de dezembro de 1919 e falecido a 08 de dezembro de 1985.
Casado com Anna Savino, conhecida por muitos como Anita (apelido carinhoso desde a infância), nascida a 10 de janeiro de 1924 e falecida a 28 de julho de 1995. Tiveram como única filha Sônia Regina Aparecida Stávale, nascida a 20 de dezembro de 1957.
Mario Stávale trabalhou seus primeiros 30 anos no Cotonifício Rodolfo Crespi, no bairro Mooca (São Paulo), saindo de lá quando a empresa entrou em concordata. Sua esposa também trabalhou no mesmo Cotonifício, assim como outros membros da família Stávale e muitos outros imigrantes italianos. Mário foi funcionário administrativo e também desenhista para as telas da tecelagem do Crespi. Morador do bairro Mooca por muitos anos, como boa parte dos imigrantes italianos da época que vieram a São Paulo, viveu uma vida tranquila, não enriqueceu, mas teve o seu conforto.
Na visão de Sonia, foi uma das pessoas mais doces que conheceu neste mundo, pai amigo, confidente e cumplice de longas conversas, marido carinhoso e extremamente dedicado a sua família. Seus olhos profundos e azuis sabiam dizer o que pensava e queria no íntimo.
Morreu onde queria, morando a beira mar no ano de 1985, na cidade de São Vicente. Foi enterrado também onde queria, na cripta da família Stávale, onde seus pais, irmãos, tios e sobrinhos estavam, no Cemitério da Quarta Parada em São Paulo. Em seus últimos meses, Sônia via um brilho alegre nos olhos azuis de Mário, o brilho de saber do dever cumprido, mas triste por deixar tão cedo a sua família, pois faleceu antes de completar 66 anos, Sônia tinha apenas 27 anos quando tudo aconteceu. E quando tinha 37 anos a sua mãe falece, em 1995.
Após a morte dos pais, Sônia passou a compreender melhor as situações da vida e seus infortúnios e com isso começa a escrever suas lembranças.

O trecho a seguir é de Reinaldo Stávale: “A vida não foi fácil para Sonia, faleceu em 27 de novembro de 2013, de câncer, extremamente pobre, sem nada e morando de favor em um pequeno quarto na cidade de Guarulhos. Anos atrás (não sei ao certo, talvez de cinco a dez), sem ninguém saber do paradeiro de Sonia, Olívia Stávale (tia) incumbiu-me de procurá-la e ajudá-la e, após muito esforço, consegui encontrar. Desse momento em diante estabelecemos contato permanente e pude proporcionar a Sonia alguns felizes momentos em encontros familiares. Em seus últimos momentos de vida ajudei-a financeiramente, diante de apelos dramáticos e desesperados em que ela julgava estar sujeita devido a sua situação. Apesar de ter trabalhado durante muitos anos com políticos renomados (ver ícone Currículos deste web site), Sonia não teve o devido reconhecimento dos mesmos e foi desprezada. Ela não estava preparada para o que viria a seguir, nem profissionalmente e nem emocionalmente, daí iniciaria o seu calvário que culminou com a sua morte prematura”.
31/12/2012.

 

 

C-11 Caso enviado por Roberto Stavale da cidade de São Paulo (Árvore de Nicola – Brasil I).  

 

REVOLUÇÃO   E   FUTURA   UNIÃO 

Julho de 1924, a cidade de São Paulo crescia em todos os sentidos.  Há dois anos, em Fevereiro de 1922 a intelectualidade brasileira foi surpreendida com a  “Semana da Arte Moderna“, realizada no Teatro Municipal de São Paulo.  Movimento cultural que chamou a atenção da sociedade brasileira. Estado dinâmico, devido a sua economia aquecida passou a ser chamado de “locomotiva“. Pois devido à lavoura do café e suas exportações para o mundo, somado a grande expansão industrial, São Paulo, — puxava o resto do país. Em 1922, começaram os movimentos de insurreições denominados de  “Revoltas Tenentistas“. A oficialidade, principalmente do Exército, não estava satisfeita com a República, muito menos com o presidente Epitácio da Silva Pessoa, que tinha colocado um civil para o Ministério da Guerra. Para culminar os acirramentos, o governo mandou fechar o Clube Militar no Rio de Janeiro e prender o seu presidente, nada menos do — Marechal Hermes da Fonseca Em 5 de Julho de 1922, parte da guarnição do Forte de Copacabana rebelou-se. Imediatamente, o governo manda a Marinha de Guerra bombardear o Forte, e. decreta estado de sítio. Este movimento militar ficou conhecido como: “Os Dezoito do Forte“. Sem haver acordo nas negociações, os dezoito revoltosos deixam o quartel e combatem com as forças legalistas na praia de Copacabana. Os revoltosos são mortos. Só os tenentes Eduardo Gomes e Siqueira Campos sobrevivem Ainda, em 15 de Novembro de 1922, o Brasil elegeu mais uma vez de maneira arcaica e repleta de cambalachos o novo Presidente da República. Artur da Silva Bernardes, mineiro, vencedor das eleições. A jovem oficialidade revoltada contestou publicamente a sua vitória. Depois de muitas peripécias ocorridas em sua vida (relatadas no conto Fantasmas e Fantasias do livro Contos e Recontos), Francesco Antônio Trombieri, não era mais gasista, tinha sido promovido. Atuava como fiscal de iluminação a gás, em poucos pontos da cidade onde havia tais lampiões. A luz elétrica já era um orgulho para São Paulo. Comentava-se em levar os encanamentos de gás pelas ruas e avenidas para que os fogões ao invés de lenha ou carvão, fossem servidos pelo gás de rua — como era chamado o gás hidrogênio. Sua família também prosperava. Continuava morando no bairro da Bela Vista, “Bixiga“.  Já iam para o quinto filho. Ele e dona Joaninha trabalhavam bastante para sustentar a prole. Ela era calceira. Costurava para os alfaiates do bairro. No mesmo bairro na Rua Rui Barbosa, moravam outras famílias de italianos — os Gullos e os Stavales. Habitavam em duas mansões avarandadas e ajardinadas, que, na época faziam parte do mesmo terreno. Na maior morava José Stavale, Zezé, para íntimos, que, somava seus dezesseis anos. Rosa Yolanda, segunda filha de Francesco, ia fazer seis anos. Moravam no mesmo bairro. Mas, as duas famílias ainda não se conheciam. Francesco continuava a se encontrar com os amigos. E as conversas, além de terem amadurecido com o passar dos anos, reduzia-se só sobre a estagnação e as revoltas pela qual o país passava. No dia 5 de Julho de 1924, exatamente dois anos após a revolta no Rio de Janeiro, ocorreu nova rebelião, — desta vez dentro da cidade de São Paulo. Alguns dos quartéis do Exército sediados no Estado de São Paulo, apoiados por diversos quartéis da Força Pública, hoje Polícia Militar, comandados pelo general Isidoro Dias Lopes e por Miguel Costa, Joaquim e Juarez Távora, atacaram a sede do governo, forçando a saída do Presidente do Estado, nome dado aos atuais governadores, que na ocasião era Washington Luiz, e ocuparam partes estratégicas da cidade. Logo nas primeiras horas da revolução, além de seus quartéis de origem, os revoltosos ocuparam as Estações da Luz, Sorocabana e a Estação do Norte no Braz, que ligava São Paulo ao antigo Distrito Federal, no Rio de Janeiro. Tomaram também a sede dos Correios e Telégrafos, alguns armazéns de viveres, os depósitos de combustíveis na Moóca e outros pontos estratégicos da capital, principalmente hotéis, hospitais e as torres das igrejas. Desde o primeiro dia, os combates dentro da cidade foram violentos, causando inúmeros mortos e feridos entre os militantes e a população civil. Trágicas foram às mortes de muitas crianças, a grande maioria por imprudência. Viam-se crianças que, ingenuamente, imaginando novos festejos de São João, ocorridos em Junho, se apossavam em momento de combate, nas vizinhanças das trincheiras, disputando entre si a posse de cápsulas deflagradas. E, esse tipo de óbito, ocorreu com muitos adultos também. O principal alvo da artilharia e infantaria revoltada, nos primeiros dias de revolução, era a sede do governo, o antigo Palácio dos Campos Elizeos, no bairro do mesmo nome. Os revolucionários montaram suas peças de artilharia pesada de longo alcance, vindas de Quitauna,  nos altos da cidade como: Altos do Araçá no espigão da Av. Paulista, Perdizes,  Morro dos Ingleses, topo da Rua dos Ingleses, no bairro da Bela Vista, nosso conhecido “Bixiga”, e outros pontos dos quais deslocavam suas baterias numa rapidez incrível. Parte da fiscalização feita por Francesco, era exatamente o Morro dos Ingleses. Naquela manhã de sábado, 5 de Julho de 1924, quando quis subir as escadas que saíam da Rua Fortaleza, e terminavam no patamar do Morro dos Ingleses, foi impedido por dois soldados fortemente armados. A escadaria estava bloqueada por uma trincheira de revolucionários. Não deixaram Francesco subir. E, com violência fizeram retornar avisando: — estamos em revolução. Vai cuidar de sua vida e não passe mais aqui! Francesco retornou para casa preocupado. Foi quando começou a escutar os primeiros tiros de canhão e o matracar de uma metralhadora. Zezé estudava internado no Liceu Coração de Jesus. O Liceu, anexo à Igreja do Sagrado Coração de Jesus, dos padres salesianos. Situava-se, e está lá até hoje, no Bairro dos Campos Elizeos, bem próximo do Palácio do Governo. Os primeiros tiros de artilharia, dirigidos contra o Palácio, caíram nas redondezas. Um dos tiros atingiu em cheio o pateo do Liceu. Sábado, o recreio estava vazio, e, os alunos internos estavam se preparando para passarem o final de semana em casa. Mas, além do susto, como fazer para mandar a garotada embora entre dois fogos? Houve um fato pitoresco naquele sábado. Um grupo de alunos do Liceu, junto de alguns professores, todos uniformizados, foram mandados para uma chácara dos padres na zona leste. Estavam passando pela Várzea do Carmo, já em poder dos revolucionários, quando foram confundidos por tropas legalistas. Quase começaram a atirar no grupo, — tragédia que por pouco não aconteceu.   Os raros bondes que ainda circulavam, já tinham ordem da direção da Light, para retornarem as suas estações. Uma dessas garagens era na Alameda Glete, no bairro de Santa Cecília, que terminava próxima ao Liceu. E, era nesta estação que, Zezé tomava o bonde para ir para casa no “Bixiga”. Infelizmente o local estava tomado pelos revolucionários. Francesco não sabia o que dizer a Joaninha. Além da esposa, tinha quatro filhas pequenas que o deixava deveras preocupado. Os recentes acontecimentos estavam fazendo a sua vida, cada vez mais difícil. Pensou... repensou... e decidiu ficar em casa ao lado da família naquele final de semana, esperando o que poderia acontecer na segunda-feira. As crianças e a mulher em casa sozinhos —  nem pensar. Até as padarias estavam fechadas. E, o barulho dos tiros dos canhões continuava martelar a sua cabeça. Salvador e Palmyra, pais de Zezé, tão perto de Francesco, também não sabiam o que fazer e nem o que pensar no que estaria acontecendo com seu único filho. Segunda-feira, 07 de Julho. As escaramuças entre os legalistas e revolucionários continuavam a todo o vapor. A cidade praticamente estava sem as  atividades normais. A guerra civil era a que dominava. Só o prédio dos Telégrafos, na Rua José Bonifácio, tinha sido recuperado pelo governo. Zezé conseguiu chegar em casa no sábado à noite. Lá com seus pais, tios e primos que moravam nas duas mansões, articulavam o que fazer para deixar as casas. Não era para menos. O canhonaço e a fuzilaria, assustava a todos. Salvador era artista gráfico. A sua gráfica ficava nos fundos da moradia. Assim, não precisava sair de casa para o trabalho. Mas, quem foi trabalhar naquela Segunda-feira. — Ninguém!  O caos causado pela revolução perdurou até a madrugada de nove de Julho, quando todos os redutos legalistas inclusive o Palácio Dos Campos Elizeos foram abandonados. O governo se retirou da cidade e suas forças se agruparam principalmente para os lados do Ipiranga. Tréguas, nem pensar! Tiros eram ouvidos a cada instante apesar do recuo. Não havia descanso para os beligerantes. Apenas os legalistas tinham-se retirado para organizar melhor a retomada da cidade. Os canhões legalistas lá para as bandas da  Penha, alvejavam sem piedade o Morro dos Ingleses, uma das bases dos canhões revolucionários.Francesco e Salvador com suas famílias estavam no meio desse fogo cruzado.   Na casa de Zezé, como em muitas outras casas da cidade, quando os tiroteios e o cruzar dos obuses eram mais intensos, homens, mulheres e crianças se escondiam debaixo das camas. Sair nas ruas era pedir para ser morto ou ferido por uma bala perdida ou por explosão de granada. No Sábado, 12 de Julho. Com a cidade repleta de boatos e combates, por incrível coincidência, as duas famílias resolveram fugir. Aproveitaram o final de semana. Devido a aparente suspensão dos combates de rua, alguns bondes trafegavam e, algumas casas comerciais funcionavam com as portas semi-abertas, — como fosse um dia de luto oficial. Fizeram as malas. Francesco com toda a família, mais sua cunhada Santina, foram para a casa dos seus tios no distante bairro da Lapa. Ir para a Lapa já era uma viagem. Imaginem com a cidade em revolução? Os primeiros bondes começavam a trafegar às 5.00 horas. A confusão que assolava São Paulo, era tão grande, por isso nem pensar em horários ou linhas que funcionassem normais.  Depois de várias horas chegaram na Avenida São João. O trecho entre a Praça Antônio Prado até a Alameda Glete estava interditado para qualquer tipo de veículos devido às trincheiras abertas no meio da avenida. Tiveram que ir a pé. Paulina, a filha mais nova, com um ano, ardia em febre. As filhas maiores — Cristina e Rosa, ajudavam a carregar os pertences.Em frente da Estação Glete, depois de vários sustos com soldados e sentinelas, sentaram num pequeno bar que estava aberto, para tomar um lanche preparado por Dona Joaninha, — pão italiano com chicória frita no alho e óleo. Quando chegaram na casa dos tios já era noite. No bairro da Lapa como em outras partes da cidade não havia força elétrica. Os revoltosos tinham desativado diversas usinas. A principal estação transformadora da “Light and Power “, na Rua Paula Souza, nas mãos dos legalistas, já não fornecia energia suficiente para a cidade. Na Lapa moravam os tios:  Dona Florinda, irmã de Dona Cristina, mãe de Francesco, casada com outro Francesco, — Francesco Grosso, outro casal de calabreses que chegaram durante a imigração com a primeira filha — Florinda, nascida na Itália e foram direto para a cidade de Rio Claro no interior paulista, onde se estabeleceram como comerciantes. No Brasil nasceram mais dez filhos. Entre eles salientamos Guerino Grosso, pintor famoso por suas naturezas mortas, e ambientes de fundos de quintais. Francesco Grosso junto com a família mudaram de Rio Claro para São Paulo em 1919. Os onze filhos do casal Grosso já eram nascidos em 1924.  No casarão da Rua Rui Barbosa, naquela manhã de Sábado, os preparativos eram de viagem mesmo. Uma boa parte da família ia para a cidade de Rio Claro aonde  morava Aníbal, — irmão de Palmyra.  Aníbal, arquiteto, tinha se mudado para Rio Claro também em 1919, para assumir como primeiro professor de desenho técnico na Escola Profissional de Rio Claro. Coincidências que vieram a ser constatadas anos mais tarde. De um comando revoltoso, a família de Zezé conseguiu saber que, por volta das quatorze horas partiria um trem para Campinas e de lá haveria uma baldeação para outras cidades, inclusive Rio Claro. O trem sairia da Estação da Luz, — Quartel General dos revoltosos Com as três principais estações em poder dos revolucionários, a principal atividade dos comboios que iam e voltavam do interior de São Paulo e, de  outros estados, era o transporte de armas leves, cavalos e canhões, e os passageiros eram — as tropas. Mas, naquele trem embarcariam  passageiros comuns. Como chegar até na Estação da Luz? Estavam querendo arrumar um modo de deslocamento, quando Ernesto, recém casado com Antonieta, irmã de Palmyra, apareceu com uma velha carroça puxada a cavalo. O grotesco carro serviu para as malas e embrulhos. Os adultos foram andando. Havia um pequeno na viagem, o primeiro filho de Ernesto — Adalberto, o querido Bertinho. Deram voltas e mais voltas, desviando das tropas e das trincheiras. Cenas de puro vandalismo eram vistas a todo o momento. Populares e revoltosos incendiavam lojas e armazéns de víveres para saqueá-los. Mas, conseguiram chegar até a estação. Lá outra surpresa estava reservada. Ainda bem que a carroça continuava carregada. As sentinelas avisaram que o trem partiria da estação da Barra Funda. A família não se preocupou com o acontecimento, — a partida estava muito atrasada. Depois de nova caminhada até a Barra Funda, seguiram na velha         “maria-fumaça“ —  Zezé, seu primo Eduardo, o Dadinho, que anos mais tarde se ordenaria padre jesuíta, tia Marietta, Risoleta e Antonieta com seu esposo que não largava um momento sequer de Bertinho.  Ficaram nos casarões  — Salvador e Palmyra, Julieta também irmã de Palmyra, e seu esposo Dante, pais de  Dadinho. A viagem além de atrasar mais de uma hora em São Paulo foi uma epopéia. Depois de dez minutos, o comboio parou na Estação da Lapa. Nem imaginavam que lá perto estavam —  Francesco e família. O destino começava aproximar Rosa e Zezé.  Como a ferrovia estava em poder dos revoltosos, todo o cuidado era pouco. As paradas eram enervantes e demoradas. O deslocamento de tropas era  intenso para São Paulo. Os trens vindos do interior trazendo tropas principalmente de Jundiaí e Pirasununga, corriam em grande número e tinham prioridade. De São Paulo a Jundiaí a Estrada de Ferro era a SPR — São Paulo Railway, dos ingleses, que começava em Jundiaí, passava por São Paulo, e ia até a cidade de Santos. Era pela SPR, que escoavam  as exportações de café  para o porto de Santos. Em Jundiaí começa a Companhia Paulista de Estradas de Ferro, construída pelos — Barões do Café.   Em tempos normais na estação de Jundiaí só trocavam as locomotivas. Mas naquele Sábado tiveram que descer e trocar de trem. As viagens para Rio Claro, feitas habitualmente pela família de Zezé, duravam de três a quatro horas. Mas aquela durou mais que o dobro. Saíram de São Paulo as quinze e trinta, e só conseguiram chegar em Rio Claro na madrugada de Domingo. Tio Aníbal os esperava na estação. Tinha recebido o telegrama avisando da súbita viagem ao escurecer. Da estação para a Avenida Cinco, onde morava tio Aníbal, era perto. Não precisaram mais de carroça Preocupada tia Maria, segunda esposa de Aníbal, os esperava com uma suculenta janta, — que praticamente virou o café da manhã. Em São Paulo, na Lapa, as famílias Trombieri e Grosso, somavam vinte pessoas na mesma casa, — dormiam em paz. Nem escutavam o troar dos canhões vindos dos lados da Penha. Domingo, continuava a calma aparente, apesar de combates esporádicos e duelos de artilharia. A grande batalha pela reconquista da capital estava sendo preparada pelos legalistas. Na segunda-feira 14 de Julho, Francesco voltou para casa sozinho — tinha que continuar sua fiscalização. Como era obrigado a passar sempre pelo Morro dos Ingleses, ficou conhecido dos soldados que ocupavam a área. Já possuía uma senha. Ao subir e ao descer as escadas da Rua Fortaleza, gritava de longe o código do dia e circulava sem ser molestado. Acabou fazendo amizades entre os revolucionários, — amizades que perduraram anos após a Revolução. Lá perto, nem quatro quarteirões de distância, Salvador e o resto da família viviam momentos de saudades e angústias. Não tinham notícias. Telegramas do interior para a capital — nem pensar! A gráfica permanecia fechada. O mesmo acontecia com a fábrica de sapatos, na casa ao lado, de seu concunhado Dante. Não era para menos. Não havia transporte. Poucos bondes que trafegavam eram esporádicos. Os serviços essenciais de fornecimento como o  de energia elétrica, água e gás estavam quase paralisados. Jornais da época circulavam dando as trágicas notícias — mortes e destruições!   Lá pelo dia 20 de Julho, os legalistas agora mais equipados com armamentos e tropas vindas de outros estados, começaram a fechar o cerco da cidade. A artilharia assentada nos arredores da Penha, martelava as posições inimigas dia e noite. Do Porto de  Santos subiu para São Paulo um forte contingente legalista. Depois de se formarem com as tropas  estacionadas no Ipiranga, começaram a marcha pela Saúde, Vila Mariana e Liberdade. Mais tropas vindas da Penha fechavam o cerco através da Barra Funda e Bom Retiro. As duas alas lutariam nos próximos dias para a conquista definitiva da capital. As batalhas de infantaria, exibindo lutas corpo-a-corpo com as baionetas caladas prosseguiam. Pouco a pouco os legalistas tomavam terreno. As torres das igrejas, principalmente a da Imaculada Conceição, na Rua Cincinato Braga, no espigão da Av. Paulista, já serviam de postos de observação para as tropas do governo federal. Percebia-se claramente que, os revolucionários começavam a abandonar tais lugares e se concentravam perto das estações —  era o prenúncio da fuga premeditada. Além do centro da cidade com seu famoso triângulo — Rua 15 de Novembro, Direita e São Bento, os bairros mais atingidos foram: Campos Eliseos Luz, devido ser a sede do governo muitos quarteis e estações de trens. Segue-se com Santa Efigênia, Bela Vista, Braz, Bom Retiro, Barra Funda, Liberdade, Cambuci, Vila Mariana, Santana, Consolação, Santa Cecília, e Moóca. Os depósitos de combustíveis da Moóca, ao lado da estrada de ferro e dos armazéns gerais, depois de vários ataques de artilharia arderam durante vários dias. Durante as noites que perduraram os incêndios parecia uma aurora boreal tupiniquim. O clarão constante das labaredas a queimar gasolina e óleos, vista a noite e, de longe — lembrava um constante amanhecer. O incêndio dos depósitos de combustíveis e outros incêndios aterravam os habitantes naqueles tristes dias. O incêndio da fábrica Crespi foi um de maiores proporções. Os poucos bombeiros não davam conta dos sinistros. Domingo 27 de Julho. Desde a véspera não se escutava o barulho dos combates em toda a linha de frente. Francesco,  saiu cedo de casa para ir visitar a família na Lapa. Estava passando pelo centro quando um pequeno aeroplano começou a sobrevoar a cidade. Foi uma correria só. O povo amedrontado pensou logo em bombardeio. Mas não! Ao invés de granadas, o piloto jogava —  “A Gazeta de Notícias“, com uma proclamação do ministro da guerra, pedindo ao povo paulistano para evacuar a cidade. Quando o aeroplano voltou atirando para baixo a carga de jornais, os soldados revolucionários sem pestanejarem começaram a atirar com seus fuzis em direção do aparelho. Foi uma fuzilaria incrível. Francesco estava pensando em voltar para casa, mas não foi necessário. O aviador, como eram chamados os pilotos dos aviões, — desapareceu no horizonte com seu aeroplano. Em Rio Claro, por poucos jornais que chegavam Zezé e os seus tomavam conhecimento das notícias. Na madrugada da Segunda-feira, 28 de Julho, repentinamente os sinos do Mosteiro de São Bento, no centro da cidade, começaram a repicar com insistência. Muita gente acordou, gerando um certo alvoroço entre a população. Ao clarear do dia, os boatos se alastravam pela cidade, — os revoltosos estão abandonando a cidade fugindo de trem para o interior. Tropas legalistas eram vistas ocupando trincheiras dos revolucionários. Ninguém sabia dizer ao certo se haveria mais combates. Informações e desinformações circularam por toda a manhã. Nas portas das redações dos jornais, a multidão aumentava em busca de notícias. Francesco estava na Rua 15 de Novembro, em frente da redação do jornal “O Estado de São Paulo“, querendo saber das novidades também. Mas, a realidade estava nos olhos das pessoas que vinham dos bairros, principalmente: Liberdade, Braz e Móoca, — as trincheiras dos revolucionários estavam abandonadas. Havia desânimo e cansaço nos rostos dos soldados rebeldes. Entre quinze e dezesseis horas, soube-se de fonte fidedigna vinda da redação do “Estado“, que se o General Izidoro Dias Lopes, não capitularia, a cidade seria arrasada, pela artilharia legalista, posicionada ao redor da cidade. Não haveria mais combates de infantaria. A cidade desmoronaria sob o aço e o fogo das granadas legalistas. Apesar do povo estar dividido entre os revolucionários e os legalistas, assim como a imprensa, a cidade não desmoronou. A fuga dos revolucionários era latente. As tropas legalistas tinham vencido a revolução de 1924. O Hotel Therminus, residência oficial do comando da revolução estava vazio. Ninguém sabia de ninguém. Viam-se caminhões lotados de soldados revolucionários que assobiavam e se despediam do povo dando — adeus e até a volta!. Nos quartéis, repartições públicas, trincheiras e outros locais em poder dos revolucionários, o caos era completo. Tudo estava abandonado — armas, munições, víveres, combustíveis, roupas e outros utensílios estavam ao sabor dos saques. Dos lados da Estação da Luz vinham mais notícias: trens lotados de tropas  corriam para o interior. Gôndolas de carga carregando peças de artilharia faziam parte dos comboios. — A  Revolução estava terminada Nos primeiros dias de Agosto, o governo restabelecido fazia balanços das perdas e dos danos que a cidade sofreu com as granadas dos canhões, tiros de fuzis e metralhadoras, incêndios, depredações, saques e outras violências trazidas pela guerra civil.  Havia falta de hospitais, pois os inúmeros habitantes que não participaram da revolução, mas feridos nos tiroteios continuavam nos hospitais. Estado de Sítio vigorava desde do primeiro dia da revolução. Militares que não fugiram, políticos, jornalistas e outros tantos que lutaram ou foram a favor da Revolução estavam presos. Diversos jornais não saíram nos primeiros dias após o término da luta. Entre os que não saíram, estava o “Estado de São Paulo“, leitura obrigatória de Zezé até Outubro de 1999 — data do seu falecimento. Os mortos foram pranteados e enterrados — assim, a cidade como Fênix ressurgia das cinzas. Pouco a pouco os habitantes que tinham fugido da luta armada foram retornando. Entre eles estavam Rosa e Zezé. Das lembranças físicas deixadas pela revolução guardo até hoje uma caixa de folha-de-flandres, usada para embalagem de fumo para cigarros de palha da: Companhia Souza Cruz. Lá dentro como Zezé guardou, estão até hoje — pentes de balas de fuzil e estilhaços de granadas de mão. Estas recordações foram pegas nas ruas. Não me esqueço da primeira vez que minhas tias e meu pai  me mostraram a bala perdida que jazia cravada em uma das venezianas da varanda do casarão, que, se perdeu na memória da velha casa por ocasião de sua demolição nos anos setenta. No começo da década de 1930, Salvador Stavale e Francesco Trombieri se conheceram através da Igreja Católica. Os dois pertenciam a Sociedade Filantrópica São Vicente de Paula e a Ordem Terceira de São Francisco de Assis, — eram vicentinos e franciscanos.  Zezé participava das reuniões vicentinas, que, eram feitas na Igreja de Nossa Senhora da Achiropita. Na Igreja da Imaculada Conceição, eram realizadas as atividades franciscanas. Francesco e Joaninha criaram e educaram nove filhos. Salvador freqüentava a casa do amigo, principalmente nas noites de terças-feiras, por ocasião da reunião vicentina. Juntos depois de jantarem, iam para a igreja. Salvador, criatura carismáticoa, passou a admirar ainda mais a família Trombieri, — era muito brincalhão, tocava flauta e gostava demais de crianças.  Esta amizade criou laços íntimos entre os dois. Consideravam-se irmãos.  Alegre como sempre, atendendo os pedidos da família, principalmente das crianças, Salvador passou a jantar com os amigos quase todas as noites — era considerado como um membro da família. O tempo foi passando. Francesco continuava trabalhando na Companhia de Gás, como caixa recebedor em um dos clichês do escritório na Rua Roberto Simonsen. Salvador ajudado por Zezé continuava com sua gráfica  na Rua Rui Barbosa. Corria o ano de 1937. Salvador estava muito adoentado. Sofria com problemas coronários. Ia completar sessenta anos em Dezembro, mas, parecia mais idoso e seu semblante jovial — estava cansado.  Mesmo assim, não perdia o humor nem a benevolência para com todos. No começo de  Julho de 1937,  Salvador resolveu  passar uma temporada em Rio Claro. Lá tinha companhia dos seus cunhados: Aníbal e Marietta. Aníbal tinha seis filhos pequenos que ele adorava. Marietta estava lecionando na cidade. No dia 10 de Julho, passeando com seus sobrinhos Norberto e Pradelina, já falecidos, pelas ruas de Rio Claro, teve um colapso fatal e veio a falecer em instantes. Com a morte do pai, Zezé passou a freqüentar mais a miúdo a casa do amigo Francesco. Lá conheceu melhor Rosa, a segunda filha. Não houve dúvidas. Meses depois Rosa era pedida em casamento por Zezé. O namoro, depois o noivado, o primeiro enlace da família Trombieri, aconteceu à moda antiga, sob a batuta severa de Francesco — pai fervoroso e zeloso com a educação dos filhos. Ficaram noivos no dia 21 de Junho de 1938. Exatamente um ano após, no dia 21 de Junho de 1939, quando a Revolução ia completar quinze anos,  foi realizado o casamento na Igreja de Nossa Senhora Achiropita  — assim, foi selada a união entre as famílias Stavale e Trombieri. Dos três filhos de Zezé e Rosa, este contador de histórias  foi o segundo. O tempo passa, mas, as memórias ficam!

Roberto Stavale